Apresentação do Território Centro-Sul do Paraná


O Território Centro Sul do Paraná, está situado no segundo Planalto Paranaense, mais precisamente na microrregião Homogenia (276) Colônia de IRATI.

É integrado por 12 municípios, sendo 10 pertencentes a AMCESPAR - Associação dos Municípios do Centro Sul do Paraná: FERNANDES PINHEIRO, GUAMIRANGA, IMBITUVA, INACIO MARTINS, IRATI; MALLET, PRUDENTÓPOLIS, REBOUÇAS E RIO AZUL e outros 2 pertencentes a AMCG- Associação dos Municípios dos Campos Gerais: IPIRANGA e IVAI, que atendem a definição de território: "Espaço físico geograficamente definido não necessariamente contínuo caracterizado por critérios multidimensionais tais como o ambiente, a economia, a sociedade, a cultura, a política e as instituições, é uma população com grupos sociais relativamente distintos, que se relacionam interna e externamente por meio de processos específicos, onde se podem distinguir um ou mais elementos que indicam identidade e coesão (social, cultural e territorial)''.

A população do Território conta com um total de 218.163 habitantes (IBGE, 2000), população rural de 93.503 habitantes, sendo que 44.008 habitantes (20,11%) vivendo abaixo da linha da pobreza. A maior parte desta população que vive nesta condição de miséria reside no meio rural (29.544 habitantes), o que corresponde a 7,13% do total de pessoas que vivem abaixo da linha da pobreza.

No meio rural encontram-se 29.258 agricultores familiares, sendo que 26.124 agricultores possuem áreas de 01 a 50 hectares e somente 3.314 agricultores possuem área superior a 50 hectares (EMATER - PR, 2003).

Todos municípios do Território estão organizados através de Conselhos Municipais e administram de uma maneira ou outra recursos federais: Centros de Treinamentos e Eventos (Mallet); Cooperativa para beneficiamento e armazenamento de grãos (Guamiranga); Unidade de Processamento de Erva-Mate (Inácio Martins);Patrulhas Agrícolas Mecanizadas na maioria dos municípios...etc

A utilização das áreas com lavouras de culturas anuais, principalmente milho, feijão, fumo e soja representam 34,9% da área total. Nesta área há a predominância de cultivos de feijão, milho e soja (299.290 hectares).

Agricultura

A área cultivada com milho e feijão nos municípios dos Territórios corresponde a 4,6% e 15,9% respectivamente, da área total cultivada no Estado. A produção corresponde a 4,3% e 15,2% respectivamente, da produção total do Estado. Desta forma, verifica-se que o Território caracteriza-se por uma agricultura de subsistência nas culturas de milho e feijão em parte dos estabelecimentos rurais e de agricultura tecnificada caracterizada principalmente pelo cultivo de soja em outras partes dos estabelecimentos rurais.

Na cultura de fumo, o Território tem posição destacada por possuir a maior área cultivada do Estado, com 22,6% da área total e, com 21,3% da produção total. Ressalta-se que grande parte da área cultivada com fumo e proveniente de propriedade de agricultores familiares, os quais cultivam fumo devido principalmente à facilidade de aquisição de insumos e de comercialização e a obtenção de valores expressivos por hectare. A cultura de soja corresponde àárea de 2% e a produção a 2% do total do Estado. Estes dados demonstram que a região tem pouca expressão em relação a produção estadual. Entretanto, a produtividade supera em 29% a média estadual, o que se traduz numa agricultura tecnificada e especializada.


Fruticultura

Desde a colonização o Território tem histórico de fruticultura, sobretudo no cultivo da Videira, com produção de vinhos coloniais.

A fruticultura de clima temperado é uma atividade que se iniciou no Território na década de 70, no município de Irati, com o cultivo de pessegueiros. Atualmente esta atividade está presente em todos os municípios do Território, destacando-se os municípios de Mallet e Irati, os quais possuem as maiores áreas cultivadas e produção.

Dentre as principais espécies cultivadas, a produção de frutas de caroço (ameixa e pêssego) têm maior expressão - amora e framboesa também tem seu espaço.

Atualmente os cultivos de quivizeiros, morangueiros e videiras estão tendo maior incremento de área e interesse dos agricultores familiares a cultivarem estas espécies. No caso do quivizeiro, este interesse é devido à facilidade de cultivo, pouca exigência do uso de defensivos químicos, facilidade de manejo pós-colheita das frutas e a alta lucratividade. Para o morangueiro e videira o interesse de agroindústrias que fazem contrato de compra da produção tem sido um fator importante, para os agricultores familiares optarem pelo cultivo dessas espécies, porque têm a garantia de comercialização da produção.

Em todos os municípios do território há expectativa de que a fruticultura se torne uma atividade capaz de gerar emprego e renda aos agricultores familiares.


Pecuária

A produção pecuária no Território é caracterizada pelo sistema de integração entre agricultores e empresas privadas, destacando-se principalmente as integrações nas produções de suínos e aves. Os demais rebanhos não são significativos nos comparativos com a produção estadual, entretanto, tem destaque na economia regional.

Outras atividades em destaque no Território são a piscicultura, a produção de leite e mel.

A piscicultura tem referencial de uma atividade alternativa para as pequenas propriedades ainda em início de crescimento. O leite produzido tem relevância no abastecimento das indústrias das bacias leiteiras das regiões de Castro e Witmarsun. O mel tem sido objeto de destaque na pauta de produtos para a exportação, com qualidade apreciada na Europa e Ásia.


Florestal

A produção florestal tanto extrativista como de reflorestamento possuem grande importância para o território, como responsável por grande parte do valor bruto da produção agropecuária. De forma generalizada, a existência de varias atividades oriundas do setor madeireiro caracterizam o territóriocom produção significativa em relação à produção estadual.


Biodiversidade

Enfim, o território ainda é rico em paisagens naturais margeando a Serra da Esperança, com inúmeras nascentes, formadoras de diversas bacias hidrográficas do estado, com exuberantes cachoeiras, remanescente florestal de matas nativas, seus vales e terras agricultáveis, valores culturais da imigração colonizadora, tomam o território potencial para exploração do turismo rural buscando preservar essas riquezas e mantendo o homem no campo com dignidade, gerador de renda e auto-sustentável.


Organização

Em 20/03/1983, foi criado a AMCESPAR - entidade que visa integração dos municípios nas áreas administrativa, executiva, econômica e social - na microrregião 17 do Estado do Paraná, com sede no município de Irati, reconhecida como Associação de Utilidade Pública, sem finç lucrativos em 30/06/1995, sob a lei 11.121 do Estado do Paraná.   

O Território iniciou sua organização em 2003, primeiramente organizando Conselhos Municipais em seguida constituindo um Conselho Gestor, com regimento interno para mobilizar os atores, promover a discussão da territorialidade e implantar ações que realizem os objetivos propostos que são: a superação da pobreza através da geração de empregos e renda; a redução das desigualdades de renda, gênero, etnia e geração; a diversificação das atividades econômicas e sua articulação dentro e fora do território: adoção de instrumentos de participação e controle social; promover a organização dos agricultores familiares; reduzir passivos ambientais; melhorar a educação de jovens e adultos.

Para implantar esta proposta, o Território possui uma organização em tomo do Conselho Gestor formado por representantes dos Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável, instituições governamentais e não governamentais de todos os setores já com a adesão dos municípios de Ivai e Ipiranga, pertencentes à AMCG.

 

Processo de Desenvolvimento

A função do Conselho Gestor é fazer política, fazer Gestão do desenvolvimento rural do Município e do Território, promover a participação dos setores interessados da Sociedade, analisar a realidade local, identificar problemas, conhecer potencialidades e formular propostas. Através da Construção Social, Trabalho e Gestão Coletivos, uma parceira na construção de alianças entre organizações governamentais, organização da sociedade e cadeias produtivas, com articulação entre demandas sociais e oferta de políticas públicas e um processo contínuo de planos/projetos.

Em cada município estão sendo realizados Seminários Municipais para identificar os potenciais e identificar Linhas de Ações e o que precisa e deve ser melhorado.

 

PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL

É a missão do Conselho Gestor e tem como principal objetivo, apoiar projetos voltados para a dinamização das economias territoriais, para o fortalecimento das redes sociais de cooperação e o fortalecimento da gestão social, estimulando uma maior articulação das políticas públicas no território.

COMPOSIÇÃO DO CONSELHO

No território Centro-Sul o Conselho Gestor é composto por 42 identidades que formam o Plenário. Dentro do Conselho constitui-se Câmaras Técnicas: Fruticultura, Agroecologia, Desenvolvimento Humano e Planejamento.

Há uma diretoria executiva assessorada por técnicos da EMATER, Prefeituras Municipais e Ongs.
- CONSELHOS MUNICIPAIS DE DESENVOLVIMENTO RURAL (12);
- AMCESPAR (12);
- PREFEITURAS MUNICIPAIS (12) (SECRETARIAS DE AGRICULTURA);
- SINDICATOS RURAIS E DOS TRABALHADORES RURAIS;
- SEAB E SUAS VINCULADAS (EMATER-PR, IAPAR);
- UNICENTRO;
- SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO: NUCLEO REG. DE IRATI;
- COLÉGIO FLORESTAL DE IRATI;
- SECRETARIA ESTADUAL DO TRABALHO E PROMOÇÃO SOCIAL;
- IAP;
- ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS: IEEP, ING;
- AGENCIAS E FÓRUNS MUNICIPAIS E REG. DE DESENVOLVIMENTO;
- EMBRAPA;
- CEDEJOR

PRIORIDADES

O Conselho Gestor reúne-se bimestralmente ordinariamente e extraordinariamente quando necessário, destas reuniões foram formuladas e aprovadas propostas que aceitas como prioritárias pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário, através da Secretaria de Desenvolvimento Territorial, promoveu ações e investimentos que vem sendo aplicado no Território.

- Centro de Formação de Agentes do Desenvolvimento Sustentável;
Que tem por objetivo promover o desenvolvimento harmônico e sustentável do Território Centro-Sul do Paraná através da educação e mobilização dos atores preparando-os para autogestão democrática e participativa, ampliando as capacidades humanas e institucionais.
Trata-se de projetos de investimentos com obra civil móveis equipamentos de uso didático e veículos constituído no município de Guamiranga.

- Oficinas de Capacitação para Reconversão em Agricultura de Base Ecológica;
Aplicadas pela ING – Instituto Guardiões da Natureza com sede em Prudentópolis.

- Profissional Cidadão;
Convenio do Ministério de Desenvolvimento Agrário, Secretaria de Agricultura familiar, Governo do Estado do Paraná, secretaria de Estado de Ciências e Tecnologia e ensino superior, oferece demanda qualificada de profissionais voluntários para ATER em diversas áreas de abrangência para formação e articulação do capital social, auxiliando na implantação de projetos do Território.

- Projeto Articulador Territorial;
Busca promover o processo de Acompanhamento para Gestão participativa das Ações do Território.

- Viveiro de Mudas Frutíferas;
Produzir mudas de espécies Frutíferas e olericolas com qualidade genética e Fitossanitária – instalado na Agrovila no município de Fernandes Pinheiro.

- Unidade de Classificação e Armazenamento de Frutas (Município de Imbituva);
Permitirá que agricultores familiares tenham infra-estrutura para classificar e armazenar a produção, reduzindo perdas, aumentando o período de comercialização e aumentando a lucratividade.
O projeto contempla também a aquisição de veículos que permite que o Território tenha um corpo técnico para prestar assistência técnica a agricultores familiares que cultivam fruteiras.

- Unidade de Classificação e Armazenamento de Frutas (Município de Mallet):
Aumentar a renda dos agricultores familiares do território. Contempla também um veículo com capacidade de 4,0 toneladas para transporte da produção.  

 

 
 
Voltar à pagina anteriorIr para a página principal
Amcespar – Associação dos Municípios Centro Sul do Paraná
Fone: (42) 3423-2393 - Irati - PR